Grupo dedicado à protecção e libertação animal.

terça-feira, abril 25, 2006

Dia 18 de Maio, todos unidos contra as touradas

O Campo Pequeno irá reabrir no próximo dia 18 de Maio com mais um lamentável espectáculo de tortura pelas 20:00.

A indústria tauromáquica conseguiu com 5 anos de obras e cerca de 75 milhões de euros, construir esta renovada catedral dos horrores que se complementa com o já existente centro comercial destinado a angariar fundos para suportar os degradantes eventos tauromáquicos que irão agora voltar a Lisboa.

Fechada desde 2001, a Praça de Touros irá abrir as portas novamente para aplaudir o sofrimento atroz de touros e cavalos num “espectáculo” que os seus defensores apelidam de…cultura.

Nesta noite de abertura terá lugar a tortura de mais animais inocentes e terá lugar também, no exterior e em paralelo, a mais importante manifestação anti-tourada do ano que está a ser organizada pela ANIMAL.

O GLA irá estar presente neste evento e fazemos portanto um apelo a todas as pessoas para levarem amigos e familiares a esta manifestação para que todos juntos possamos dizer não às touradas e exigir o fim desta lamentável industria que tanto envergonha e deseduca os portugueses.

A ANIMAL irá disponibilizar autocarros gratuitos Faro – Campo Pequeno – Faro e Porto – Coimbra – Campo Pequeno – Coimbra Porto. Para mais informações contacte a associação:

algarvecontraastouradas@animal.org.pt

portocontraastouradas@animal.org.pt

E-mail geral: info@animal.org.pt

Site: http://animal.org.pt

sexta-feira, abril 14, 2006

O Respeito pela Vida?

Muitos de vós terão já sido confrontados com dilemas éticos em algum episódio da vossa vida. Eu vou escrever como alguém que convive com aqueles que praticam atrocidades, aparentemente sem qualquer remorso; vou portanto, falar dos que não conhecem “o tal” dilema.

Para os que ainda não sabem, estou a tirar um curso de Biologia numa faculdade que, orgulhosamente, ainda se encontra na Idade Média: Instituto Superior de Agronomia. Até agora, já assisti a episódios bastante desagradáveis, perpetrados quer por alunos, quer por docentes (alguns deles biólogos). Apesar das atitudes cruéis e bárbaras fazerem parte da natureza Humana, não posso deixar de pensar em como é que alguém que quer ser Biólogo, estudando a Vida, pode ser capaz de a desrespeitar de uma forma tão vergonhosa. Posso “compreender” que um pescador seja capaz de matar um peixe, por se tratar de alguém ignorante e que não sabe apreciar a importância e beleza do animal, vendo-o apenas como o seu ganha-pão, porque a vida assim o quis. No entanto, não consigo compreender a tomada da mesma atitude por parte de um biólogo, sendo alguém que conhece e estuda a Vida e que, exactamente por isso, deveria ser o primeiro a defender e respeitá-la.

Tal como um médico, que jura defender e salvar vidas Humanas independentemente de tudo o resto, o verdadeiro Biólogo é aquele que estuda conscientemente, que batalha com os seus dilemas éticos, para conseguir aprender sem destruir ou, tendo de destruir, o faça pela maneira mais digna, independentemente dos “incómodos” adjacentes.

Já vi indivíduos da minha idade comportarem-se com a crueldade e inconsequência típicas de crianças mal-educadas, já assisti a comportamentos na minha opinião vergonhosos, principalmente porque vêm daqueles que querem seguir a mesma profissão que eu.
Já tentei chamá-los à razão, fazê-los perceber que o que estão a fazer não é correcto nem necessário à nossa aprendizagem, mas infelizmente, não veio nada de bom dessa tentativa; para além de não mudarem (nem moderarem) as suas atitudes, ainda fiquei com a sensação que a opinião generalizada é de que quem não tem futuro na Biologia são pessoas que pensam como eu - talvez seja verdade, mas resta sempre a dúvida.

sábado, abril 08, 2006

"Morangos com Açúcar" promove touradas

Todos os que têm estado atentos ao confronto de ideais entre a massa activista pelos direitos dos animais e a TVI estarão já a par do seu empenho em popularizar todas e quaisquer práticas violentas contra animais, começando pelas touradas que patrocinam anualmente e passando mais recentemente pela propaganda a favor dos circos com animais. Mas falemos de touradas.

As fortes ligações desta televisão com Espanha e com a Igreja deixaram uma lamentável herança de mentalidades. É portanto natural ver a TVI virar as costas e negar-se a dialogar e a reconhecer que a programação que exibe está completamente desadequada à mentalidade da maioria dos portugueses que ou não se interessam por touradas ou são manifestamente contra.

Embora o “patrão” da estação de Queluz seja um claro aficionado – o que explica em parte este comportamento – não podemos deixar de fora a responsabilidade das pessoas envolvidas em projectos que envolvam exploração – e pior – tortura de animais desde as celebridades, passando pelos actores até às equipas técnicas que possibilitam a produção e transmissão destes conteúdos.

É portanto completamente incompreensível e inadmissível que se transforme uma novela de forte impacto nos jovens num instrumento de propaganda desonesta incluindo um novo personagem que se dedica a torturar touros e cuja “coragem” é amplamente enaltecida pelo restante elenco; sem qualquer ideia contraditória, sem fazer passar a verdade a que o publico tem direito mas que é incomoda para quem tem muito a perder.

Não defendemos que retirem a personagem, defendemos sim que se aproveite esta oportunidade e se inclua uma outra defensora dos direitos dos animais que eduque as demais para a dura e triste realidade dos touros e dos cavalos que servem de brinquedo às mentes doentias da tauromaquia. Honesto seria transmitir este conteúdo com um contrapeso e não como algo inquestionavelmente bom e correcto.

Ainda que seja inequívoco que a ideia foi encomendada pelo senhor José Eduardo Moniz ou pelo seu staff aficionado temos que deixar a nossa nota de reprovação, não só para a equipa de guionistas mas também para a produção e para os actores que alegremente compactuam com esta situação.

Independentemente da qualidade da novela, que para os mais novos é inquestionável, a verdade é que tem cativado muitos jovens desde o seu início. Agora, a TVI põe em causa a sua educação usando a lealdade do seu público para interiorizar nas suas cabeças a falsa ideia de que o toureiro é corajoso e de que é aceitável torturar animais.

Pior que isso, os actores que são verdadeiros ídolos para as crianças e adolescentes têm especial poder em situações fortes, sejam elas boas como em várias outras ocasiões ou completamente lamentáveis como nesta. Para as crianças será natural interiorizar as ideias dos seus ídolos e agir como eles, o que torna tudo especialmente preocupante.

A inclusão deste conteúdo na novela não foi decerto um acaso. Ninguém se lembraria de promover abuso de touros caso não houvessem interesses de força maior, e esse interesse é “renovar” a minoria ultrapassada que os aficionados da tauromaquia representam. Não fosse a profissão de torturador estar em declínio, estas situações não teriam lugar e talvez a TVI não brincasse com a formação das crianças que são como se diz, o futuro.

Pedimos por isso a todos o que partilhem da nossa indignação que se façam ouvir pela TVI e pela produtora da novela, a NBP/Fealmar com o envio de e-mails de protesto, cartas, telefonemas e faxes, através dos seguintes contactos:

TVI:

Morada: Rua Mário Castelhano, 40, Queluz de Baixo
2734-502 Barcarena

Fax: (00 351) 21 434 76 54

NBP/Fealmar

Morada: R. José Falcão, n.º 57 – 3.º Dt.º,
1000-184 Lisboa

Fax: (00 351) 213 515 899 / (00 351) 213 193 799
E-mails: infor@nbp.pt,administracao@nbp.pt

 
free web counter