Grupo dedicado à protecção e libertação animal.

quinta-feira, abril 07, 2005

Aliviar o stress...torturando

Se algumas pessoas conseguem reconhecer o sofrimento de raposas, coelhos e outros mamíferos caçados naquilo que alguns chamam de actividades de lazer, poucos são os que conseguem identificar-se com os habitantes do meio aquático que são frequentemente perseguidos nos seus habitats naturais para diversão de indivíduos com tempo livre a mais.

As razões para escrever estas linhas são mais do que muitas mas uma peça transmitida há uns dias no jornal da tarde na SIC, deixou-me deveras irritado: elogiou-se a campeã mundial de pesca Fernanda Pereira do Clube Naval Povoense com honras de verdadeira heroína nacional.
Enalteceu-se o convívio, a descontracção, como a actividade é benéfica para a saúde (dos humanos, talvez) e como é um grande feito uma mulher conseguir ganhar campeonatos onde indivíduos competem para ver quem tortura ou mesmo mata mais animais.
Tudo é uma questão de orgulho insensível onde o objectivo é exibir troféus e nunca a sobrevivência. O sofrimento infligido aos animais nunca importa para estas pessoas.

Esta senhora, não sendo a única a perseguir pelas suas pobres opções de vida, nunca deve ter olhado para os animais que retira violentamente do seu habitat ferindo-os gravemente com os anzóis o que provoca uma dor imensa (pescadores que já espetaram anzóis acidentalmente nos dedos não o desmentem), causando-lhes lesões internas através da descompressão súbita ao serem retirados da água e sufocando-os lentamente até à morte. Em terra, os anzóis são retirados com o animal ainda vivo causando-lhe imensa dor, hemorragias internas e ferimentos na boca.

Na pesca desportiva, os peixes são devolvidos à água mas isso não abona a favor dos pescadores: algumas lesões são irreversíveis e os peixes morrem em poucas horas ou dentro de alguns dias. O tecido sensível da boca dos peixes é muitas vezes rasgado fazendo com que o animal não se consiga alimentar correctamente causando a sua morte por fome.

Cientistas comprovaram em diversas ocasiões que os peixes sofrem como os mamíferos mas as pessoas não reconhecem a dor e o medo através dos seus olhos “frios” e os pescadores continuam a negar esse facto para bem dos seus passatempos intocáveis.

Outros animais esquecidos neste processo são os iscos vivos: pequenos camarões, peixes e minhocas que são trespassados pelos anzóis ainda vivos e conscientes e cruelmente lançados para a água para atrair os peixes.

O que pode fazer…

Se você é pescador encontre uma outra ocupação amiga dos animais. Porque não apreciar a natureza em vez de a destruir?

Se conhece pescadores que se recusam a ouvir estes argumentos peça-lhes que ao menos mate os peixes imediatamente evitando o seu sofrimento prolongado.

Escreva para as autoridades locais ou para políticos explicando-lhes que os peixes também sofrem e que a pesca lúdica deve ser proibida.

Informe-se:

http://www.animal-lib.org.au/lists/fish/fish.shtml

1 comentários:

Anonymous Thyagu disse...

"Na pesca desportiva, os peixes são devolvidos à água mas isso não abona a favor dos pescadores: algumas lesões são irreversíveis e os peixes morrem em poucas horas ou dentro de alguns dias. O tecido sensível da boca dos peixes é muitas vezes rasgado fazendo com que o animal não se consiga alimentar correctamente causando a sua morte por fome."

-Além disto ha que acrescentar que os peixes ao serem manuseados pelos humanos perdem a camada protectora que têm nas escamas o que facilita infecçoes que depois se podem propagar aos outros peixes, ou até propagar uma epidemia...

3:55 da manhã

 

Enviar um comentário

<< Ínicio

 
free web counter