Grupo dedicado à protecção e libertação animal.

domingo, maio 01, 2005

Aos PDDAs

Este artigo é totalmente dedicado a todos os Pseudo-Defensores dos Direitos dos Animais (PDDAs) que se encontram espalhados por esse mundo a fora, constituindo uma autêntica praga.

Encontrámos, portanto, outro inimigo colossal nesta luta. A par dos que manifestamente exploram, torturam e matam animais, os PDDAs conseguiram elevar-se a expoente máximo da perversidade humana, arranjando maneira de reunir, no seu cérebro, quantidades inacreditáveis de estupidez, hipocrisia e ruindade. Geralmente, dizem-se muito amantes dos animais, mas acabam por revelar que a única coisa de que realmente gostam é da sensação de poder que subjugar um animal dá.

De seguida, enunciarei algumas máximas destas entidades; algumas comentarei, outras, devido à tamanha imbecilidade que manifestam, não merecerão grande atenção. Aproveito ainda para dizer que todas as frases, à excepção da última, foram emitidas por uma única pessoa.

Infelizmente, apesar de pertencerem a duas pessoas, este tipo de comentários e "filosofias" são muito comuns, sendo defendidas por muita gente.

------*------

Sobre a crueldade inerente na tradição de cortar a cauda a cachorros recém-nascidos de certas raças:

“ (…) mas não há grande problema porque os cães não têm terminações nervosas na cauda.”

A verdade é que, só depois de ter “digerido” o facto de alguém, ao meu lado, ter realmente dito aquela barbaridade é que fui capaz de responder:

“Será por isso que quando tocas na cauda de um cão ele instintivamente a encolhe?”

Felizmente, não fui a única a ouvir, senão ninguém acreditava…

------*------

Quando abordada para assinar a petição europeia contra o uso de animais em circos, fez o seguinte comentário:

“Não vou assinar porque há circos que tratam bem os seus animais”

Não estava presente neste episódio; quem foi presenteado com esta pérola de sabedoria ficou tão abananada com a resposta que só mais tarde é que comentou

“ (…) devia ter-lhe pedido um único nome de um circo que não maltrate os “seus” animais.”

Infelizmente, por vezes, a estupidez e hipocrisia desta gente é tão grande, que nos deixa sem fala…

Por fim, concluiu com o seguinte comentário:

“ (…) para isso também teria de ser contra os Zoos.”

Realmente, se não consegue ver as barbaridades cometidas contra os animais nos circos, atrevo-me a dizer que será impossível reconhecer a crueldade dos Zoos.

Informe-se:
http://www.animal.org.pt/bo/conteudos/index.php?categoria_id=71

------*------


Por vezes vêem-se pombos esmagados contra o asfalto. Quando confrontada com uma situação dessas, reage, comentando

“ (…) eles também não se desviam…”

Seguindo esse raciocínio, quando um idoso ou uma criança que demore mais tempo a atravessar a estrada (na passadeira), em vez de esperarmos, passamos-lhe o carro por cima.

------*------

Depois de tomar conhecimento do massacre das focas no Canadá que está neste momento a acontecer (até dia 15 de Maio), vendo como estávamos revoltadas, chega ao ponto de dizer que os assassinos esfolam as focas bebés, muitas das vezes ainda conscientes, para comida e nada mais…

Tempos mais tarde, o Destak trouxe em manchete um protesto contra esse mesmo massacre. Mostrámo-lho…não respondeu.

Informe-se:
http://www.ifaw.org/ifaw/general/default.aspx?oid=132147
http://www.institutoninarosa.org.br/foca.htm

------*------

Infelizmente, essa mesma PDDA monta e é daquelas que diz adorar cavalos, pena é que depois revele a que na verdade, o amor que sente não é aos cavalos, é à sensação de poder que, ao montar, experimenta.

Assim, ela, com toda a sua experiência e amor a estes fantásticos animais, conclui

“ (…) os cavalos adoram o freio.”

Então deve ser por isso que, para lho colocarem ele oferece tanta resistência, cerrando os dentes.

“ (…) os cavalos preferem ser montados com sela, é mais confortável para eles”

Ou seja, os cavalos são masoquistas e adoram a sensação das queimaduras que as selas lhes provocam graças à fricção.
Correcção: a sela foi feita para dar mais conforto às bestas que montam os animais.

Depois de saber que a família dessa PDDA é amiga da família Ribeiro Telles, ainda tive de a ouvir a defendê-los, argumentado que eles não usam esporas nos cavalos porque gostam muito deles.
Deve ser exactamente em nome desse carinho que os põem nas touradas, a correrem perigo de vida.

Para terminar em beleza, acabou por dizer que consegue ver os dois lados da tourada: o dos aficionados e o dos anti-touradas. E eu a pensar que os únicos “dois lados” eram o do touro e o do cavalo…Desta forma, revelou a sua verdadeira natureza.

------*------

Resta ainda relatar um episódio com outra PDDA que, por sinal, quer ser veterinária; quando lhe perguntaram se gostava de touradas, respondeu

“ (…) eu gosto de cavalos, por isso, gosto da parte das touradas que inclui os cavalos”

Alguém que realmente goste de um animal, não suporta vê-lo em situações de perigo.

------*------

Com tudo isto, chegamos apenas a uma conclusão: gostar não é respeitar. Se não gostam de animais, ao menos respeitem-nos.

3 comentários:

Anonymous VDDA (verdadeira defensora dos animais) disse...

AHAHAHAHHAAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHHAAHAHAHHAAHHHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAAHA
TA LINDOOOOO!!!!!!!

7:43 da tarde

 
Blogger Wakewinha disse...

Joana,

São pessoas com capacidade de raciocínio diminuídas, por isso não vale a pena enervares-te! Mexe com o seu orgulho; é o melhor modo de atacar uma pessoa.

Mas a propósito de PDDAs, há dias, a presidente da maior associação de recolha de animais abandonados em Aveiro disse: "Gosto tanto de galinhas, que até as como!", como se comer o animal fosse mostrar-lhe respeito!

Ignorei-a... Não valia a pena dizer o que quer que fosse a uma pessoa com tamanha falta de inteligência!

8:51 da tarde

 
Anonymous Thyagu disse...

Eu ja tinha reparado na p*ta da ignorancia dos humanos mas knd li isso fikei...

10:55 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Ínicio

 
free web counter