Grupo dedicado à protecção e libertação animal.

sexta-feira, março 25, 2005

Quinta das Futilidades


Há algo que, desde sempre, me impressiona no comum humano: a capacidade de assistir (e gostar) a programas e espectáculos que envolvam a tortura e maus-tratos de animais.

Foi com muita tristeza que no último fim-de-semana soube que este programa vergonhoso (em muitos aspectos) ia recomeçar.

Naquela “casa” a nata da sociedade portuguesa (???) ganha dinheiro, grande parte das vezes, a gozar com animais. Desde o pobre do cavalo que tem de arcar com aquelas bestas, até à vaca que, infelizmente, também tem de os suportar a espremer as suas tetas com o dobro do tamanho que deveriam ter (causando, naturalmente, dor ao animal), passando pelas pobres galinhas, cabras e, agora, os caracóis cujo triste destino bem conhecemos.

Apesar de tudo, tenho que dar o braço a torcer e dizer que poderia ser bem pior já que quando a ANIMAL soube que a TVI ia importar o programa, insistiu para que houvesse pelo menos um veterinário ao serviço dos animais, já que tal não aconteceu nos países pioneiros da "quinta das celebridades"; como resultado da negligência e insensibilidade das ditas "pessoas" chegaram a morrer animais...(agradeço à Bela pela informação)Se na estreia do programa havia um indivíduo que, com toda a sua idiotice, insensibilidade e ignorância, fazia questão de apelar ao uso de peles de animais inocentes que são torturados e mortos de forma vergonhosa (para mim que sou Humana), agora vemos uma Helicultura…

Como já tinha acontecido antes, assistimos à apologia de uma das grandes vergonhas de Portugal: a tourada.Ora bem, como seria de esperar de “saloios”, vê-se falar e encenar o dito “espectáculo” com “glamour”, como se de algo bom se tratasse.Como também já é mais do que sabido, o público-alvo do programa acha que tudo o que lá está dentro é muito lindo, uma vez que parecem não ter cérebro próprio para pensar. É assim que se angariam indivíduos para defender um espectáculo que desperta o que de pior o ser Humano tem. É, enfim, uma prática medieval que nada mais merece de nós, Humanos, que a repulsa e o boicote.

Sinceramente, com tudo o que vejo os Homens fazer, não tenho grande esperança em relação a esta espécie e é por isso que, quando me vêm falar em justiça divina, temo pela Humanidade.

Respeito pela Vida acima de tudo. Não fechem os olhos ao que se passa mesmo diante de vós.

 
free web counter